sexta-feira, maio 05, 2006

Apeadeiros by Nigth

O tédio, o enfado, o fastio de uma hora sem nada fazer levaram-me a conceber este novo conceito de viagem Porto-Aveiro. A luz fez-se claramente no comboio das 21h35 que pára em todas. Ora o Apeadeiros by Nigth é uma grande festa, uma hora de animação. Transformar o comboio nocturno em antro de divertimento. Oh quimera.

Vinha o pessoal em alto delírio durante toda a viagem. A cada estação, a cada apeadeiro a exaltação sobe de nível, música sibilante. Quando os passageiros já estão em fulgor máximo eis que se dá o clímax da viagem, a chegada a Salreu. Quem não sabe o que é a emoção de parar no apeadeiro de Salreu? Observar a verde relva artificial, perceber se este é o dia raro em que as portas se abrem, tentar perceber como é possível uma cadeira de rodas passar por ali, deslindar se alguém faz aquelas centenas de metros e degraus para atravessar a linha.

Será que há mesmo quem ligue ao letreiro “É expressamente proibido atravessar a linha”, ou na sua tradução para português corrente “F#d*-t*, sabemos bem que tens que atravessar a linha mas não nos responsabilizamos”.

Portanto na chegada a Salreu dá-se a catarse. Os passageiros soltam a sua raiva acumulada. Quantas festas os parafusos e porcas provisórias aguentarão!?

E assim prossegue a viagem, um pulinho até Aveiro. Com a cólera expulsa violentamente a excitação decresce até chegarão destino. E prosseguimos a nossa demanda no dia seguinte de forma bem mais tranquila. Serviço público.

Em breve os novos conceitos associados: o Entroncamento by dawn e o Acetil by morning.

0 Comments:

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home