quinta-feira, agosto 03, 2006

Gay Parade, Madrid

No dia seguinte decorria a Gay Parade. Mas antes o jogo Portugal - Inglaterra. Vimos o jogo num pub irlandês que, como é óbvio, estava repleto de ingleses. Rodeados do ensurcedor barulho até ao repentino silêncio (excepto aos gritos histéricos de 4 pessoas) do penalti do Cristiano Ronaldo. A seleção foi protegida por um qualquer anjo, talvez o da imagem.


Saídos do pub e eis que a Gay Parade estava mesmo ali à porta. A turba futebolistica misturava-se com as gentes que já estavam na parada. Na rua diambulavam dois milhões de almas.


Esta senhora que me faz lembrar a República Francesa e a Marselhesa... mas com uma couve na cabeça.


Uns executivos que a avaliar pela preocupação com o télemovel não abandonam o trabalho nem nos tempos livres. Workaholics por certo. Mais gente, muita gente. O primeiro contraste, uns defensores da energia fóssil e uns guardiões da Mesopotâmia (e que boa falta lá fazem).


Este tipo da esquerda (em cima) era o delírio! Ia sempre assim pendurado apenas pelos braços, sem qualquer apoio nos pés. E não se pense que ia parado, não! Subia e descia constantemente apenas à custa da força dos braços, e colocava-se em mil e uma posições... para além de simular certos actos. Prolonguei a minha vista até o perder na multidão e nunca e vi sair daquela posição precária! Devia ter cola nas mãos, só podia!


É pá, eu estou ali! Tirem os olhos da outra foto!


Sim, em Madrid está sempre muito calor. Fica também aqui um novo conceito de salto alto.


A parada gay em Espanha tem uma semana de atraso relativamente à portuguesa. Contudo em matéria legislativa e mesmo de consciência, Espanha já abandonou a época feudal nesta matéria.


Irra. Naquela altura já andava farto de encontrar o mesmo iconograma e tudo o que era janela e carro, chego a Madrid e encontro-o novamente!


As divindades não quiseram faltar.


As varanda repletas por todo o lado e desta vez não viam o alcatrão, apenas pessoas!


Um novo anjo a terminar. No final da parada não nos atrevemos a voltar a Chueca, aquilo devia estar a abarrotar. Já nem me lembro para onde fomos!

Para ampliar as fotos clicar nas mesmas. As fotos estão numa versão de baixa qualidade para não tornar o processo interminável.

4 Comments:

Blogger  said...

tantas fotos e conseguiste repetir a mesma duas vezes?!

quinta-feira, agosto 03, 2006 9:22:00 da manhã  
Blogger José Alberto Mostardinha said...

Viva Nelson:

Não gosto do "paneleirismo" nem de todos os "factores" a ele associados.
Para sociedade podre já basta assim.

Um abraço,


Novo artigo no EG a merecer o teu comentário.

quinta-feira, agosto 03, 2006 9:26:00 da tarde  
Blogger Nelson Peralta said...

Escrevo rapidamente num computador emprestado, não me alongando.

Cada qual tem o direito a escolher as opções da sua vida. Nem o Estado, nem qualquer instituição, nem o indivíduo deve impôr os seus valores a qualquer outro cidadão.

A parada gay é um momento de reinvidicação de direitos.

A expressão pública de afectos deverá ser livre. Contudo julgo que já aqui escrevi no blog sobre o enfado de viajar no comboio com adolescentes numa hora de deleite e beijos barulhentos. Curiosamente nesse caso até eram hetro.

sexta-feira, agosto 04, 2006 10:18:00 da tarde  
Blogger Ekilibrus said...

***/***

sábado, agosto 05, 2006 5:47:00 da tarde  

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home