terça-feira, agosto 08, 2006

O rosto da guerra

Foto: Nick Ut / The Associated Press (1972)

Na Primeira Guerra Mundial morreram 9 milhões de soldados, mas pela sua forma de combate, muito poucas baixas civis se registaram.

Na Segunda Guerra Mundial morreram 25 milhões de soldados e 37 milhões de civis, muito graças a bombardeamentos a populações, como o de Dresden... que hoje são o padrão de qualquer guerra.

Na Guerra do Vietnam, um conflito mais confinado, morreram 1,4 milhão de militares e entre 2 a 4 milhões de civis.

Por esta amostra se vê que todas as guerras têm o mesmo rosto, o sofrimento e agonia humana. Por muito que falem em armas inteligantes, a verdade é que progressivamente a mudança de forma de combate leva a que morram bastantes mais civis do que militares. E cada vez mais. E nem foi preciso recuar ao tempo da luta corpo a corpo com espada, onde a precisão seria a máxima.

3 Comments:

Blogger Nuno Guronsan said...

É por textos como estes que a blogosfera me leva a pensar que ainda há esperança para este nosso pequeno planeta. Pelo menos, ainda há quem pense e tente fazer pensar. Obrigado (sincero). Continua a escrever/agir desta forma.

domingo, agosto 13, 2006 9:09:00 da tarde  
Blogger Nelson Peralta said...

Obrigado.

Estou farto do discurso da guerra branquinha (ou verde) em que nunca ninguém morre. E quando morre foi um lamentável mal-entendido!

É preciso notar que a guerra antes de tudo é a morte de seres humanos.

segunda-feira, agosto 14, 2006 7:59:00 da tarde  
Blogger Nuno Guronsan said...

Toda a razão. Penso que as pessoas, especialmente com responsabilidades, tendem a esquecer-se da morte de pessoas, ou pelo menos a referirem-se a isto como um pormenor denominado "efeito secundário de toda e qualquer guerra". Enfim, é o mundo que temos...

quinta-feira, agosto 17, 2006 11:21:00 da manhã  

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home