segunda-feira, novembro 06, 2006

O adultério e a culpa

A história reza assim: a esposa de indivíduo comunica-he que mantem uma relação extra-conjugada. Ao saber disto, seguiu a mulher até ao apartamento do amante. Daí continuou a perseguição até um restaurante. Carregou a caçadeira [também tinha um canivete e um punhal]. Entrou no restaurante de caçadeira em punho e, apesar dos apelos, disparou à queima-roupa matando o amante.

O Tribunal de Estarreja condenou o indivíduo a 17 anos de prisão.

No recurso, o Tribunal da Relação do Porto retirou 5 anos à pena evocando o adultério da esposa como atenuante. Em que medida o facto do morto ser amante relativiza a sua morte? Torna-o menos morto? Torna a sua existência indigna e logo a sua morte irrelevante? Terá o juiz tido vontade de culpar a mulher e a colocar na prisão mas não tinha mecanismos legais para tal?

2 Comments:

Blogger migas (miguel araújo) said...

Viva Nelson
Estupidamente é a justiça que temos.
A atitude adúltera da mulher é que matou o amante(!).
Porque o marido, esse, teve razões lógicas e aceitáveis para disparar e matar.
É o direito à justiça por mãos próprios que a nossa Justiça ainda via permitindo.
Cumprimentos

terça-feira, novembro 07, 2006 12:27:00 da manhã  
Blogger Nelson Peralta said...

Melhor só o julgamento de 2 inglesas violadas no Algarve em que o acordão do tribunal dizia que ambas se deviam saber comportar e vestir pois estavam na "coutada do macho ibérico"!

Neste caso de Estarreja a mulher nem enganava o marido! Foi honesta e assumiu a relação extra-conjugal!

terça-feira, novembro 07, 2006 1:42:00 da manhã  

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home