sexta-feira, dezembro 01, 2006

A quanto está a alface?

[publicado no Diário de Aveiro, 1 de Dezembro de 2006]


A população mundial cresceu freneticamente. As técnicas, a produtividade e a irrigação agrícola sofreram simultaneamente um enorme avanço (embora a sua distribuição continue longe de equitativa). Estes avanços permitem-nos comer vegetais fora de época e levar a laranja a locais tão recônditos como a Noruega. O leque de vegetais disponibilizados decresceu desmesuradamente, já que as espécies menos rentáveis foram progressivamente banidas e, consequentemente, algumas se extinguiram. Os nutrientes encontram-se dispersos pelos alimentos e, como tal, esta depleção na variedade prejudica gravemente a qualidade da alimentação humana, para além dos efeitos no ambiente e das perdas na medicina e farmacologia.

Num momento em que vivemos cercados por noticiários de cheias, não sonhamos que neste preciso instante estamos a contribuir para a seca a nível mundial. Apesar de todas as campanhas de marketing de poupança de água se centrarem no uso doméstico, a verdade é que 70% da água é consumida na irrigação da agricultura. No espaço de uma geração duplicamos a produção, mas às custas de um consumo três vezes maior de água.

A Muralha da China não é a única edificação humana visível do espaço, as estufas da Andaluzia também o são. Nesta região espanhola recorre-se à dessalinização, aumentando a salinidade costeira e pagando generosos custos energéticos. Estas estufas seriam inúteis não fosse o exército de mão-de-obra barata composta por imigrantes africanos em busca do sonho europeu.

Uma parte crescente dos legumes – e também das flores – consumidos na Europa são produzidos em países em vias de desenvolvimento, com destaque para África nos últimos anos. O que não é dito aos clientes: para produzir uma alface de 50 g no Quénia, são necessários 50 litros de água, para além da gasta na lavagem, tratamento e embalagem.

A importância da água nestas regiões é de tal ordem que o Governo do Egipto, grande produtor de batata, ameaçou com uma intervenção militar caso alguém ouse erigir uma barragem a montante do Nilo ou dos seus efluentes.

O impacto desta intensiva actividade agrícola é devastador para a população produtora que vive a jusante da captação de água. O cultivo de espécies mais adaptadas ao local e com menor exigência de água não é opção. A escassez de água acentuasse. Lagos outrora garante da sobrevivência da população, como o Naivasha, caminham para pântanos prontos a propagar doenças.

O país em vias de desenvolvimento nessas vias ficará, vivendo a ilusão do pouco emprego criado por estas empresas, invariavelmente de capitais ocidentais. Esta actividade faz entrar dinheiro no país, mas paradoxalmente mina toda a sua economia empobrecendo a população, os recursos naturais do país e tornando-o irremediavelmente dependente em termos alimentares.

E quando um europeu decidir fazer uma salada de tomate, aipo, pepino, e alface fora de época, quanto é que isso vale? 300 litros de água! Pagaremos o preço da água? E a quanto está o preço da alface? Não se preocupe, o terceiro mundo paga.

3 Comments:

Blogger MRF said...

Existe outra questão que tem a ver com o facto de a maior parte dos nossos legumes serem espécies híbridas. A UE, por exemplo, definiu "calibres" para cada espécie que, na verdade, já supõe a utilização de sementes híbridas. Exemplo: o tomate. Conhecemos 3 ou 4 espécies mas existem mais de 2000. Como são os tomates que a UE aceita: redondos, cor vermelha, bom aspecto geral, pelo que eles são produzidos para resistirem ao transporte, etc.. Falamos de engenharia genética. As sementes são caríssimas, e não podem ser utilizadas as sementes naturais da exploração agrícola. O terceiro mundo não consegue competir. A biodiversidade é ameaçada. Mas continuamos a avançar (inconscientemente) felizes e contentes.

sexta-feira, dezembro 01, 2006 5:06:00 da tarde  
Blogger Nelson Peralta said...

Estava para encaixar essa temática entre o 1º e o 2º parágrafo, mas não cabe tudo :)

A situação dos híbridos é bastante grave. Para além de outros problemas, a quebra da biodiversidade torna o vegetal em causa bastante vulnerável a pragas, o que se poderá reflectir numa crise alimentar de um momento para o outro. (Mas não se preocupem, os produtores Canadá e os EUA sabem disso e tem reservas de cereais para esse efeito, o resto do globo é que não).

Economia... Os híbridos têm pouca e débil descendência, pelo que é necessário comprar todos os anos sementes! A Índia recusou ajuda da Monsanto exactamente porque iria ficar refém das suas sementes anualmente.

O principal responsável pelos tomatinhos todos iguais é Sicco Mansholt, "pai" da política agrícola comum.

Um dos meus ambientalistas preferidos é exactamente o mesmo Mansholt, que anos mais tarde reconheceu que fez um grande erro e sugeriu bastantes medidas para os remendar. Mas já tinha saído da Comissão Europeia, e as coisas que ele propôs não cheiravam a dinheiro. Das suas medida, a minha preferida cheirava a felicidade :)

Por falar nisso, numa clara violação da lei, deixei a fotocopiar um livro dele (e de outros autores), velho e de uma editora falida! E para arranjar aquele exemplar já foi uma trabalheira. Há livros que caminham para a morte.

sexta-feira, dezembro 01, 2006 6:52:00 da tarde  
Blogger 文章 said...

餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 關島婚禮 巴里島機票 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 銀行貸款 信用貸款 個人信貸 房屋貸款 房屋轉增貸 房貸二胎 房屋二胎 銀行二胎 土地貸款 農地貸款 情趣用品 情趣用品 腳臭 水晶 長灘島 長灘島旅遊 長灘島景點 長灘島必買 婚禮顧問 婚禮顧問 花蓮民宿 花蓮民宿

sexta-feira, julho 24, 2015 8:19:00 da manhã  

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home