segunda-feira, julho 02, 2007

Em escala de cinza

Cartaz da JSD, final de 2006
(certamente não conheceram o seu ex-Ministro Bagão Félix, de tão jotinhas que são)


Quero em breve deixar aqui o porquê do não às jotas. Por agora ficam alguns apontamentos do debate. Pela primeira disse "lésbicas lascivas" na rádio, momento difícil de repetir (o meu obrigado à JS; ver cartaz abaixo).

Levantei a questão, com exemplos concretos, de após os 31 anos os ex-dirigentes das jotas serem os políticos mais cinzentos do país. Face a esta questão tive o prazer de ouvir a JS admitir que assim é, dizendo contudo que isso corresponde a um período já que passam a desempenham outros cargos (isto é, quando mandarem arrumam a trouxa e fazem o mesmo que os outros). Quanto à JSD, também admitiu o cinzentismo - embora sem usar esta expressão - dizendo que nessa altura os ex-jotas tem que cumprir um programa eleitoral (como se não o tivessem que o cumprir antes; e como se depois não fossem eles próprios a elaborar esse mesmo programa)!

E porque são cinzentos? As Jotas - em especial JS e JSD - são fortemente profissionalizadas, isto é, há uma imensidão de funcionários da Jota. Na maioria, a primeira actividade profissional que exercem é exactamente esta de funcionário político. Não é crime nenhum, cada partido organiza-se como muito bem entende. Contudo estes jotas formam-se enquanto homens do aparelho e dependentes dele! Quando saem da Jota, não tem qualquer experiência de trabalho no mundo "real" e tentam permanecer quer no aparelho quer no sistema, portanto há que se adaptar bem aos cargos ou lugares de eleitos e amansar que a vida sorri.

Etiquetas: ,

1 Comments:

Blogger Didas said...

Os jotas são totós. É certo. A ondo "Atão a malta é jovem!", até dá náuseas.

terça-feira, julho 03, 2007 1:01:00 da tarde  

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home