sexta-feira, abril 27, 2007

Novas Oportunidades

[publicado no Diário de Aveiro, 27 de Abril de 2007]


1. Recentemente, o Governo lançou uma campanha publicitária para divulgar o seu programa Novas Oportunidades. Na campanha podemos ver personalidades públicas “bem sucedidas”, numa realidade alternativa onde não estudaram e, como tal, desempenham profissões “menos meritórias”, seja lá o que esta classificação subjectiva das actividades profissionais for.

Embora seja meritório um programa de incentivo à continuação dos estudos, entendo que nesta campanha publicitária existem tremendas confusões. Antes de mais, vende a ideia de que a conclusão dos estudos permite automaticamente emprego qualificado. Basta ver o número de trabalhadores qualificados que exercem a sua actividade fora da sua área de formação e de forma precária, como em centros comerciais ou alugando-a a empresas de trabalho temporário. A campanha esquece ainda o número de estudantes universitários que trabalham nessas mesmas profissões para pagar a sua formação. Não reconheço portanto nestes anúncios o meu país, sendo que ao esconder e negar esta realidade apenas funciona como propaganda ao Governo, branqueando as políticas que sucessivamente levaram à situação que enunciei.

Em segundo lugar, a campanha valoriza mais o estatuto social do grau de ensino do que os conteúdos obtidos nesse percurso, já que existem várias formas de adquirir conhecimento.

Em terceiro, a campanha publicitária transparece o modelo de ensino que o Governo perfilha. Progressivamente a formação e o ensino público, em todos os seus níveis, é dirigido para preparar e adequar o cidadão a mão-de-obra para responder às necessidades das empresas empregadoras, de forma a aumentar a sua produtividade e lucro. Se compreendo que se deva responder a esta necessidade, em caso algum o ensino público se deve cingir a esta componente. A escola e a universidade são locais de excelência para a formação – não se leia formatação – do cidadão. A escola não serve apenas para atribuir competências, mas também conteúdos e fomentar a consciência critica, a discussão e a cidadania.

Por último, para demonstrar que a campanha não tem qualquer ligação à realidade bastaria que trocassem os actores. Em vez de convidarem Judite de Sousa, porque não realizar o anúncio com alguém que não tenha prosseguido os estudos como José Saramago, tão só Prémio Nobel da Literatura?

2. O Ministério do Ensino Superior decidiu encerrar a Universidade Independente por esta não reunir as condições mínimas necessárias para o seu funcionamento. Nas fiscalizações periódicas a que Independente – e todas as outras universidades – são sujeitas nada lhe foi apontado, tinha portanto todas as qualidades e condições para manter a actividade. Portanto que se pode pensar agora? Que de facto durante todo este tempo a Independente foi um estabelecimento de ensino de qualidade e que agora, de um momento para o outro, se deteriorou de tal forma que o seu encerramento é a única solução!

Esta semana foi a vez de conhecermos as tropelias na Universidade Autónoma.

Contudo, mesmo que o encerramento da Independente seja irreversível, terá uma segunda oportunidade? É que na imprensa já correm informações que alguns dos sócios da Independente se preparam para abrir uma universidade com outro nome (Pedro Alves Cabral), nas mesmas instalações da Independente e com o actual corpo docente.

Por quanto tempo mais teremos que ouvir a ladainha de que a gestão privada é mais eficaz e de maior qualidade que a pública? Quando alguém se lembrar de privatizar o ensino superior em Portugal?

Etiquetas: ,

2 Comments:

Blogger MRF said...

A campanha Novas Oportunidades é uma escândalo, de caricata! Como foi possível ser aprovada?

Quanto à gestão privada, há bons exemplos (Católica) e maus. tal como no Ensino Público. Falta é inspecção e menos compadrio.

Preocupa-me mais a Gestão privada ao nível hospitalar. O buraco financeiro do Ministério da Saúde não pode ser resolvido com delegação de responsabilidade, num sector tão sensível, e básico.

PS: nomeei-te um dos meus "thinking bloggers". és mesmo.

segunda-feira, abril 30, 2007 6:48:00 da tarde  
Blogger Nelson Peralta said...

Para além da campanha Novas Oportunidades ser execrável, surge ainda numa altura que do ponto de vista de marketing político é completamente ineficaz.

O objectivo de marketing seria demonstrar um Portugal onde os licenciados vão bem da vida! A única coisa que conseguiu foi inserir o Primeiro-Ministro no anedotário nacional com a questão dos seus estudos.

PS: Já tinha visto, só ainda não referi aqui porque sou um anti-social, o único acto de vinculação social de que disponho é o bocejo :)

segunda-feira, abril 30, 2007 8:57:00 da tarde  

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home