segunda-feira, outubro 17, 2011

Dos 99% do mundo aos 0,0001% de Seguro

Publicado n'A Comuna


Do mundo para Wall Street, de Wall Street para o mundo o movimento evolui e envolve. A 15 de Outubro, centenas de milhar ocuparam as ruas de mil cidades por todo o planeta. Um movimento espontâneo mas global, feito de muitas cores mas unido no protesto e na vontade de mudança. Porém, ainda hoje, a direita o tenta colar à “anti-política” e a um segmento residual da sociedade. Mas como pode um protesto global, que junta pessoa tão diversas, de tantos países, culturas e línguas diferentes ser apelidado de tribal? E, se é verdade que a demissão da política é defendida por uma pequena parte dos activistas, a realidade é que o mote “nós somos os 99%” que uniu as manifestações é uma inegável declaração de classe.

Na véspera da manifestação da “geração à rasca” de 12 de Março, o governo Sócrates apresentava o PEC IV em conferência de imprensa. Em fotocópia, dois dias antes do 15 de Outubro, Passos Coelho dava a conhecer as medidas de austeridade do próximo orçamento de Estado. Trata-se do capítulo mais violento do ataque aos desempregados, trabalhadores e pensionistas que tem vindo a ser escrito com intensidade nos últimos anos. Também essa foi uma declaração de classe: retirar dos 99% que dependem do trabalho para entregar ao capital financeiro. Foi precisamente contra este sistema social e económico do saque, contra esta ideologia da pilhagem que o planeta se uniu.

A 11 de Outubro, o Partido Socialista andava perdido noutras contas. Sobre o orçamento de Estado, António José Seguro disse e reafirmou que o voto contra do PS é o cenário que “menos probabilidade tem de acontecer. Se quer que diga é de 0,0001%”. Seguro quis deixar as coisas ainda mais claras: “caso Portugal tivesse um governo minoritário, não hesitava em o aprovar”. Ou seja, se o voto do seu partido fosse decisivo para o ataque ao trabalho e ao Estado Social e para a recapitalização da banca, Seguro nem vacilava, o capital podia contar com o voto favorável do PS. Como esse saque está garantido pela maioria da direita, o PS pode descontrair uma décima de milésima...

Este retrocesso civilizacional só será impedido com uma massiva mobilização popular. A esquerda política e social, os movimentos orgânicos e inorgânicos, os sindicatos e comissões de trabalhadores, todos e todas as activistas: para esta luta todos são imprescindíveis e absolutamente necessários. Mas o que é que fez o Partido Socialista nas vésperas? Estendeu a passadeira amarela à direita. Mesmo perante um governo com maioria absolutíssima, o PS decidiu retirar qualquer pressão sobre o orçamento de Estado. Seja o que for, e já se adivinhava muito bem o que era, a direita pode contar no mínimo com a passividade do PS. Não será o partido que chamou o FMI a movimentar as massas, ou sequer a esboçar qualquer oposição parlamentar. O Partido de Seguro pode, por motivos táctico-eleitoralistas ou não, acabar por se reposicionar na votação. Mas na questão que agora é essencial, faltou ao povo de esquerda, aos desempregados, aos trabalhadores, aos pensionistas. Falhou aos 99% e com isso deu força à direita para que esta apresentasse as suas propostas mais radicais: prolongamento do horário de trabalho e cortes de 20% nos salários e pensões. Não é assim que se derrotam as políticas do saque e a direita.

Etiquetas: , ,

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Este Governo só lá está porque o PCP e o BE votaram ao lado da Direita o chumbo do PEC IV quando se sabia que a consequência do chumbo era a queda do Governo PS.
É isso que todos os homens e mulheres de esquerda não esquecem... e é por isso que desde então o BE perdeu metade da bancada na AR e todas as eleições em que se meteu.
Podemos ter muitas dúvidas sobre muitas coisas, mas não duvidamos que o BE contribuiu activamente para a Direita chegar ao poder!

segunda-feira, outubro 17, 2011 3:07:00 da tarde  
Blogger Nelson Peralta said...

Mesmo quando o PS na oposição continua a fazer a política da direita não se deixa desarmar pela realidade. É precisa muita fé!

segunda-feira, outubro 17, 2011 6:18:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

FÉ E "FORÇA NA VERGA"!....

terça-feira, outubro 18, 2011 9:14:00 da manhã  
Blogger José Gonçalves Cravinho said...

O PS e o PSD são como dois irmãos gémeos que se guerreiam na disputa da herança da Quinta-Portugal,pois ambos defendem e exercem a Política Liberal ditada por Bruxelas e são apoiantes da Horda mercenária da Nato e de suas guerras de rapina.O PSD supera o PS porque tem o apoio do CDS/PP um Partido onde há muita gente saudosa do Regime clerical-fascista
do Estado Novo.Êstes três Partidos
formam a Direita apoiante do Sistema Capitalista do Liberalismo
em que cada qual se safa como pode.

terça-feira, outubro 25, 2011 12:32:00 da tarde  

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home