segunda-feira, setembro 15, 2008

Hoje fui assaltado e o PSD não disse nada

Hoje, o Banco Central Europeu criou trinta mil milhões de euros para ajudar os bancos. Ora, em contas lineares isso dá 94 euros por cada cidadão da zona euro. Portanto, quer seja em imposto ou em inflacção, eu e cada cidadão da zona euro pagará efectivamente este valor, é apenas uma questão de tempo.

Hoje 320 milhões de pessoas foram assaltadas, ainda assim aquém do recente assalto de mil dólares a cada um dos 300 milhões de estado-unidenses.

Adenda 16.Set: Aos 30 mil milhões de ontem juntam-se mais 70 mil milhões hoje, já se poderá falar numa "onda de assaltos".

Etiquetas: , , ,

7 Comments:

Anonymous obviamente democrata cristão said...

nao diga asneiras!

para mal ou para bem vexa vive nesta economia, pelo que , nao poderia mudar de sistema de um dia para o outro, ainda que conseguisse mudar, o que nem sequer discute porque acredito em si.

Agora, quannto nos custaria na sua prespectiva, o mesmo período de tempo se não tivesse existido esta injecção de capital??

é complicado não e? deixe lá não é a sua especialidade ...

terça-feira, setembro 16, 2008 9:47:00 da manhã  
Blogger BaD said...

Nao sejas demagogo e nao digas enormidades destas.

o ECB empresta dinheiro e exige colateral aos bancos. Coisa q muitas instituições de credito nem sequer pedem

terça-feira, setembro 16, 2008 10:27:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Com essa sua simplicidade de raciocínio confrangedora, a única conclusão que podemos tirar é que somos assaltados cada vez que lhe pagam, a si, o salário.

terça-feira, setembro 16, 2008 11:32:00 da manhã  
Blogger Nelson Peralta said...

Bad,

É ou não verdade que este acréscimo de dinheiro leva à inflação?

O que diz Milton Friedman sobre o papel dos bancos centrais?

Para um neoliberal é aceitável a intervenção do Estado na economia como estas nacionalizaçãoes no UK e USA?

terça-feira, setembro 16, 2008 11:36:00 da manhã  
Blogger Nelson Peralta said...

Obviamente,

Este é o capitalismo "à Maio de '68", exige o impossível.

Se um tipo pergunta inocentemente porque não se cria dinheiro para salvar pessoas da fome! A resposta é que é um lunático, um idealista, que isso é impossível, ...

Agora, criar dinheiro para salvar bancos: o sistema torna possível o impossível.

É especialidade de todos nós definirmos a nossa organização social, chama-se democracia...

terça-feira, setembro 16, 2008 11:43:00 da manhã  
Blogger Nelson Peralta said...

Anónimo,

Faço referência que os meus cálculos são lineares. São meras médias aritméticas.

As notícias são dadas de forma acrítica e não aparece qualquer estimativa de custos.

Faço também a referência à única estimativa noticiada pelo Jornal de Negócios, para o caso americano onde, veja-se, o economista estima um custo mais elevado do que o apontado pela "minha" média aritmética.

terça-feira, setembro 16, 2008 11:46:00 da manhã  
Blogger João Dias said...

Esta caixa de comentários, sugere-me a mim alguns comentários também.

Vamos lá por os pontos nos "iis". O que o banco central europeu está a fazer é a juntar dinheiro público para injectá-lo em bancos. Até aqui está claro. Agora qual é particularidade de injectar dinheiro no sistema bancário? Não é a mesma coisa que injectar dinheiro na indústria produtiva, pois não? Injectar dinheiro no sistema bancário é dar a matéria prima e o produto acabado, é muito difícil perceber o quão, estrategicamente e meritocraticamente falando, errado isso é? Era o mesmo que o Estado para ajudar as empresas de produção de cortiça produzisse ele próprio a cortiça, para que a corticeira continuasse a lucrar.

É óbvio que isto é um assalto, estamos injectar dinheiro em empresas cuja finalidade é usar esse nosso dinheiro para depois o exigir com juros, custos de operação... É muito simples, e por muito que a ideologia de mercado possa cegar não há argumento que desminta esta realidade factual.
O produto, o serviço que os bancos prestam são puramente financeiros, nessa medida entenda-se que injectar dinheiro nesse tipo de empresas é uma realidade bem distinta de injectar dinheiro em empresas de produtos não financeiros.

Num assalto alguém nos fica com pertences ou bens monetários e não faz parte das suas intenções devolvê-lo, agora expliquem se o banco vai devolver os 94 euros a todos os cidadãos, e já agora porque não podem os europeus exigir que o seu dinheiro seja tratado como um produto financeiro? 94 euros com juros à taxa Euribor (4,539% a 1 mês), soa bem não soa? Estou certo que esta ideia já é mais do agrado dos visionários do mercado, é uma verdadeira iniciativa de empreendedorismo fazendo jus à capacidade de "atrair investimento".

quarta-feira, setembro 17, 2008 4:07:00 da tarde  

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home