segunda-feira, outubro 19, 2009

Autarcas do faz de conta


Hoje voltei a ouvir Ulisses Pereira, desta vez na teelvisão, a clamar pela demolição do estádio, ou agora em versão soft reconversão. Os custos de manutenção são um dos argumentos. Só tenho duas pequenas dúvidas.

O protocolo que a Câmara Municipal de Aveiro estabeleceu com o Sport Clube Beira-Mar diz "0 SCBM fica encarregue de gerir o edificio do Estadio Municipal de Aveiro na integra a partir de 1 de Janeiro de 2009, pelo periodo de 10 anos (...) Passam para a titularidade do SCBM todos os contratos, a definir, de manutenção, fornecimento e arrendamentos actualmente existentes e celebrados em nome da EMA, EM, com as consequentes receitas e encargos, a partir da data de inicio do contrato de gestio do Estadio". Portanto, o protocolo diz claramente que em termos de custos o Estádio deixa de ser um problema da autarquia já que não pagará qualquer cêntimo pela existência do mesmo (sendo certo que basicamente o concessiona de borla). Mas Élio Maia foi mais longe: vendeu o terreno das piscinas, não cobrou a venda e não recolhe as contrapartidas dessa venda.

A outra questão prende-se com o plano de recuperação financeira, onde o estádio foi transformado num produto financeiro para se assegurar o empréstimo prevendo a sua concessão por 65 milhões de euros, pasme-se, para a mesma altura em que o estádio já está concessionado gratuitamente.

Portanto, o recém deputado da verdade, diz-nos que os compromissos da autarquia são coisas do faz de conta, não são para levar a sério! Não é novidade como aliás estes dois documentos explicitam. Considero aliás que a autarquia deve rasgar certos compromissos contrários ao interesse público, mesmo que para tal tenha que acertar uma indemnização. Mas vindo de quem vêm é relevante e bastante revelador.

Etiquetas: , ,

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

É realmente triste o estado pantanoso a que Aveiro vive votada. Como é possível continuarem a votar em pessoas que fazem política desta forma... Será que a venda de património que é de todos sem que se receba até ver um cêntimo por ele é uma coisa menor? Será que a sua venda e revenda quase automática a um preço muito maior é aceitável? Como é possível que as pessoas não questionem este tipo de coisas? E a votação de matérias em reunião de câmara por parte de vereadores que, como depois se viu, têm créditos a haver nas instituições objecto dessas votações? Já não há o mínimo de decência nem vergonha na cara, mas Aveiro parece não querer saber... E não nos esqueçamos dos que têm mais do que uma face, dos que à tarde criticam e desancam e à noite já andam de mão dada com os que criticam e desancam só para mais tarde assegurarem um lugar ao sol, como se comprovou. Dessa gente pequenina que se vende a troco da promoção política, gente que mesmo sendo insultada publicamente pelas pessoas que critica, aparece depois de gravata ao seu lado como se nada tivesse acontecido. Aveiro tem o que merece e continuará parada mais 4 anos.

sexta-feira, outubro 23, 2009 3:49:00 da tarde  
Blogger AVC said...

Caro Peralta,

Palavra de honra, um dia gostava de o ver a si governar um município. Já reparou que não lhe escapa nada, que tem sempre as soluções todas, para todos os assuntos, na hora certa, como se fossem coelhos saídos de uma cartola?

Quem lê os seus artigos fica com a ideia que anda nestas andanças há muitos e muitos anos.

Caro Peralta, com o devido respeito, um pouco de humildade e modéstia davam-lhe muito mais credibilidade.

Cumprimentos.

sábado, outubro 24, 2009 1:42:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Com que então pouca modéstia, humildade e falta de credibilidade?

Estas faltas vêm na sequência de pertencer ao BE?

segunda-feira, outubro 26, 2009 9:51:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

quinta-feira, outubro 29, 2009 11:19:00 da tarde  

Enviar um comentário

backlinks:

Criar uma hiperligação

<< Home